Cupido no campo minado da era digital en la cita enamorando

Cupido no campo minado da era digital en la cita enamorando

Escritores, ensaistas e psicologos que escreveram referente a o amor nunca seculo XXI mapeiam o contexto em que as relacoes atuais se desenvolvem, um territorio com uma nova retorica que amplia as opcoes ao mesmo tempo que pode afetar a autoestima

A era digital engendrou um cupido caprichoso, mercantil, inseguro, ansioso, infiel, intermitente e evasivo que reinventa uma linguagem liberal, mas em segredo deseja o romantismo. E o retrato falado do deus do apego nunca ambito minado sobre uma era dual, analogica e digital, surgido sobre uma duzia sobre livros recentes. De Manana Tendremos Otros Nombres, de Patricio Pron (Premio Alfaguara sobre Romance), cujo O Espirito dos Meus Pais continuada A subir na Chuva foi lancado no Brasil, ate La Lira de las Masas – Internet asi­ como la Crisis de la urbe Letrada, de Martin Rodriguez-Gaona, Premio Malaga de Ensaio 2018, pasando pela pesquisa El operacion del apego – Un camino a las Entranas de Tinder, de Judith Duportail. Obras nas quais ressoam as palavras de Gabriel Garcia Marquez em Memoria sobre Minhas Putas Tristes “O sexo e o consolo que a muchedumbre tem quando o apego nao nos alcanca”.

Esse amor cuja busca e sempre a mesma, embora as vias tenham mudado sobre maneira vertiginosa. Varios narradores e ensaistas concordam com a definicao dada por Patricio Pron “As novas tecnologias trouxeram Con El Fin De as relacoes amorosas uma ampliacao do conceito de relacao que incorpora um vastissimo repertorio de possibilidades, desde a relacao amorosa a distancia prolongada ate o encontro sexual entre duas ou mais pessoas por um periodo sobre tempo previamente acordado”.

O maqueta proposto, tanto pela pornografia quanto pelos inumeros aplicativos sobre encontros, diz Rodriguez-Gaona, e o sobre relacoes esporadicas, descartaveis, despersonalizadas, sem intimidade e dispostas ao dispendio. Para o ensaista peruano, o clima digital “tem implicacoes cruciais na reconfiguracao da identidade individual (autorrepresentacao como um simulacro) e na socializacao (a necessidade sobre popularidade). Isso significou a hegemonia da extimidade (a erosao do secreto) e do efemero”.

Isso da acesso a um catalogo de desejos conhecidos e secretos no qual, acrescenta Pron, “para muitas pessoas e mais comodo hallar alguem cujo desejo coincida com o delas, ao mesmo tempo em que ratifica a ideia de genero igual que um continuo em que papeis igual que os tradicionalmente considerados masculino e feminino e a oposicao entre homossexualidade e heterossexualidade podem ser adotados e em utilizada abandonados sem que enfoques essenciais da identidade das pessoas sejam colocados em questao”.

Nao e ninguna cosa mais do que “uma recalibragem das coisas”, sentencia Saskia Vogel, autora de Soy una Pornografa. Opcoes nao muito diferentes das tradicionais, insiste Vogel. Ela acredita que “nao se pode dar como certo que uma panorama sobre apego ou sobre sexo se aproximara sobre alguem sobre acordo com um modelo com o qual esteja familiarizado ou com o que se entenda”. Reivindica que “o significativo e a comunicacao clara e honesta”.

E o aspecto que interessa Margarita Garcia Robayo, “a transformacao da retorica amorosa”. A escritora colombiana, autora sobre Primera Persona, nao tem claro se a linguagem e obrigada a passar cabello mundo digital “sob suas condicoes especificas, mas o simples fato de que o meio obrigue a retorica a se esforcar e muito interessante”. E deve acontecer, acrescenta, sem desperdiciar o essencial, sem banalizar ou frivolizar a mensagem, “e um desafio nesta nova ordem”.

Isto atesta a jornalista francesa Judith Duportail, que quis percibir no ambiente digital o verso de Lope sobre Vega “isto e apego, quem o provou sabe”. E o paladar para ela foi agridoce. Depois de romper com o namorado, Duportail buscou a esperanca no Tinder, o aplicativo de encontros presente em quase todo el mundo os paises do mundo. Logo ela quis conocer igual que funcionava por en el interior esse sector do amor e do sexo, do corpo e dos sentimentos. Ficou sabendo, por exemplo, que as mulheres costumam usar o aplicativo de melhorar a autoestima e os homens “para um caso de uma noite”. Logo entrou em uma ilusao de egos, consolos, verdades e mentiras a espera sobre “recolher migalhas sobre afeto”. E logo percebeu que o Tinder tem um calculo confidencia en a desejabilidade de cada usuario e sua classificacao, e em funcao disso instala as fotos, manera pares e sugere encontros. Duportail descobriu que o Tinder e mais conservador do que da la impresion.

O cupido afilhado do mundo digital proporciona encontros em linha “horriveis”, segundo Ronja von Ronne “O pior do pior, um https://besthookupwebsites.net/es/bondage-com-review/ inferno muito particular cheio de fotos sobre penis e selfies de homens que parecem que so querem comer o queijo da sua geladeira”. A escritora e blogueira alema, autora de Ahora Vamos, da como exemplo os portais de pornografia, que “destroem a confianca em si mesmas de milhoes de ji?venes, e seu gasto excessivo faz com que o sexo real pareca um pouco estranho e incomodo”.

Isso e ratificado cabello psicologo e escritor britanico Frank Tallis, autor de O Romantico Incuravel – E Outros Casos de Desejo e Loucura “O acesso a pornografia fez com que muitos jovens temam o sexo por motivo de que sentem que devem se comportar como estrelas porno”.

Tal excesso sobre oferta, reflete Pron, leva muitas pessoas “a paralisia amorosa a oferta e enorme demais para escolher somente uma coisa. E complejo imaginar como a provisoriedade em que vivemos poderia ser compensada por uma precariedade tambem afetiva”.